Carregando...
 
       
     
     
     
     
    A
     
     
     
     
     
     
    - Atualizado em 08/10/2018 17h23

    Tubarão encontrado na Joaquina pode ter sido morto por golfinhos

    Curador do Museu Oceanográfico da Univali disse que espécie é predadora de filhote de golfinhos

    Foto: Reprodução /NSC TV

    Na manhã desta segunda-feira (08), um tubarão morto foi encontrado por surfistas nas areias da Praia da Joaquina, em Florianópolis. O local em que o animal estava apresentava marcas de sangue. O tubarão estava com diversos machucados.

    O tubarão anequim ou tubarão-mako é tipicamente oceânico, raramente encontrado em águas rasas, como explica o curador do Museu Oceanográfico e do Ecomuseu da Univali, prof. Jules Marcelo Rosa Soto:

    - Não é uma espécie comumente capturada em arrastos. Ele é um tubarão que é mais comum ser capturado em anzóis do que em redes. Não é comum um pescador pegar este tipo de tubarão e descartar, porque é um animal que vale dinheiro, já que é comestível e a carne é bem valorizada - comentou. 

    Outra possibilidade é que o tubarão tenha sido morto por outros animais e tenha sido arrastado pela correnteza para a costa.

    - Este tubarão é predador de filhotes de golfinhos. No Museu Oceanográfico da Univali nós temos restos de golfinhos encontrados no estômago destes animais. Os golfinhos adultos costumam matar estes tubarões que se aproximam do grupo - disse o curador. 

    O tubarão foi enterrado nas dunas da Joaquina por funcionários da Autarquia de Melhoramentos da Capital (Comcap). A empresa lançou uma nota esclarecendo que o procedimento padrão é informar à Polícia Ambiental para que recolha o animal e faça a autópsia, e que os funcionários agiram inadequadamente.

    Nota

    A Comcap informa que o corpo do tubarão está sendo desenterrado nesse momento para que seja, conforme padrão operacional estabelecido, comunicado o ocorrido à Polícia Ambiental. Os empregados agiram de forma inadequada, fora do padrão, sem comunicar os encarregados de equipe. Sempre que aparece animal morto na orla, os empregados da Comcap comunicam à Polícia Ambiental que providencia a remoção do animal para encaminhá-lo à autópsia na universidade. 

    CBN Diário