Carregando...
 
       
     
     
     
     
    A
     
     
     
     
     
     
    - Atualizado em 19/11/2018 11h59

    Municípios de SC tentam administrar indefinição na saúde com a saída de médicos cubanos

    Com o anúncio do governo cubano na semana passada sobre a decisão de deixar o programa Mais Médicos, muitos municípios catarinenses estão tendo que administrar a indefinição quanto ao atendimento em saúde da população. Ao todo, são 250 profissionais que atuam no estado e podem deixar o país. Joinville e Navegantes, por exemplo, estudam formas de preencher as vagas deixadas pelo médicos de Cuba. 

    A decisão de romper o Mais Médicos foi anunciada pelo governo cubano depois que julgou depreciativas as declarações  feitas pelo presidente eleito Jair Bolsonaro aos profissionais de Cuba que atuam no Brasil.

    Bolsonaro afirmou que o Brasil condiciona a continuidade do programa Mais Médicos à aplicação de teste de capacidade e ao pagamento de salário integral aos profissionais cubanos, enquanto atualmente a maior parte é destinada ao governo de Cuba.

    Impacto econômico

    Em Joinville, dos 111 médicos que trabalham na atenção básica de saúde, 11 são cubanos. Atualmente, a maior parte dos recursos para remuneração desses profissionais é repassada pelo governo federal.

    Segundo o secretário municipal de saúde de Joinville Jean Rodrigues da Silva, a necessidade de repor as vagas deixadas pelos cubanos terá um custo imprevisto de R$ 3 milhões por ano para a cidade e vai impactar no orçamento da prefeitura.

    Compasso de espera

     A secretária de saúde de Navegantes, Marluza Trevisan, informou que atualmente atuam no município 9 médicos cubanos e que, diante das informações da ruptura do programa do governo federal, muitos manifestaram o interesse em permanecer na cidade.

    Conforme Marluza, desde que o programa Mais Médicos começou em 2013, muitos desses médicos se casaram com brasileiras, e portanto, hoje tem visto permanente no país. Agora, teriam que fazer o Revalida, o exame que legitima o diploma estrangeiro no país.

    Ainda segundo a secretária, a cidade aguarda uma manifestação oficial do governo federal sobre o fim do programa para definir como preencher as vagas dos cubanos.

    Além disso, o município tem concurso vigente, com médicos aprovados que poderiam ser chamados.

    Outras cidades

    A Fecam (Federação Catarinense de Municípios) informou que não tem informações sobre uma cidade catarinense que vá ficar sem nenhum médico com a partida dos cubanos.

    A CBN Diário tentou contato ainda com os secretários de saúde de Mafra e Içara, mas não teve retorno até o fechamento dessa reportagem.

    Os médicos cubanos devem começar a deixar o programa federal em 25 de novembro e os últimos cubanos devem deixar o país até o Natal.

    CBN Diário