Carregando...
 
       
     
     
     
     
    A
     
     
     
     
     
     
    - Atualizado em 11/01/2019 11h18

    Moacir Pereira: primeiros dias do novo governo de SC são marcados por crise política

    Foto: Diorgenes Pandini /Diário Catarinense

    Os primeiros 11 dias do governo Moisés da Silva tiveram duas marcas:  pressões partidárias para demitir titulares de cargos comissionados nomeados pelo novo governador;  e crise política rachando o comando do PSL, o partido do governador, e confronto direto entre as bancadas federal e estadual.

    Na esfera administrativa foram tres os titulares que perderam os cargos por críticas de parlamentares do PSL:  o professor Tiago Savi deixou a presidência da Santur,  a professor Rita Maria da Silva foi exonerada da Gerencia Regional de Educação em Lages; e a coronel da reserva Edenice Fraga, exonerada da Coordenadoria da Igualdade Racial da Secretaria do Desenvolvimento Social. Curioso é que as demissões foram causadas por manifestações de deputados e líderes do PSL nas redes sociais.

    E a semana termina com a crise inédita provocada pelo pedido de três dos quatro deputados federais do PSL pela destituição da Executiva Estadual do partido, presidida por Lucas Esmeraldino, o homem forte do esquema do governador Carlos Moisés da Silva.

    Um dos subscritores do pedido, deputado federal Daniel Freitas, anunciou em Brasilia que o vice-presidente nacional do PSL, Antonio de Rueda, virá ao Estado na próxima semana para tratar do impasse.

    O deputado Ricardo Alba, o mais votado em 2018, divulgou “nota de apoio” a Esmeraldino.  Foi contestado pelo deputado Felipe Estevão, que alegou não ter sido ouvido e nem assinado a nota. Ricardo Alba acusou os deputados federais de tentativa de golpe para tomada do poder no partido. A crise é um dos temas de grupos do PSL nas redes sociais.

    CBN Diário