Carregando...
 
       
     
     
     
     
    A
     
     
     
     
     
     
    - Atualizado em 24/05/2018 9h01

    Moacir Pereira: greve provoca cenário caótico em Santa Catarina

    Foto: Agencia RBS /CBN Diário

    É grave o que vem acontecendo em Santa Catarina com a greve dos caminhoneiros.  As últimas notícias revelam um cenário caótico, sem controle e com tendência de se agravar ainda mais.

    Hoje e amanhã estarão paradas todas as unidades da Aurora, a maior cooperativa agrícola do Estado e a segunda maior do Brasil.  A BRF, que controla a Sadia e a Perdigão, suspendeu a produção em suas unidades de Chapecó, Concórdia, Campos Novos  e Herval d’Oeste.  E a JBS também anuncia paralisação de várias plantas em Santa Catarina.

    A indústria de lacticínios anuncia que algumas empresas já estão parando a produção de leite.

    A Associação e as Federações de Hospitais do Estado emitiu nota sobre o quadro delicado de várias unidades particulares e filantrópicas, com falta de medicamentos e cancelamento de cirurgias eletivas no interior.

    Redes de supermercados já registram desabastecimento de produtos em todo o Estado.  Não conseguem fazer a reposição.  E a tendência é piorar ainda mais se a greve não acabar.

    Filas registram-se na capital e interior nos postos de combustíveis já na noite de hoje e durante a madrugada.

    Pior, há registros de praticas de crimes contra a economia popular com reajustes escorchantes.  Há cupons fiscais comprovando que o litro da gasolina foi vendido em Criciúma por R$ 6,49.  E - vejam o absurdo - de R$ 6,99 em um posto de Tijucas, na Grande Florianópolis.

    O governo estadual realizou reunião de emergência na Defesa Civil para avaliação da conjuntura.

    Inexplicável é a posição do governo federal. Tem ministérios de Inteligência, de Segurança Pública e dos Transportes. E não sabia que a situação dos caminhoneiros era explosiva. 

    Esta greve revela mais: que a classe política está desconectada da economia e da sociedade.  E o Congresso Nacional, isolado em Brasília.

    Ouça o comentário de Moacir Pereira:

    CBN Diário