Carregando...
 
       
     
     
     
     
    A
     
     
     
     
     
     
    - Atualizado em 16/05/2018 8h12

    Moacir Pereira: advogado de Paulo Bauer diz que inquérito está fora da Lava-Jato

    Foto: /Agencia RBS

    O pedido da Procuradoria Geral da República (PGR) ao Supremo Tribunal Federal (STF) para instauração de inquérito contra o senador Paulo Bauer (PSDB-SC) coloca mais indefinição na campanha eleitoral e nas candidaturas ao Governo do Estado e ao Senado em Santa Catarina. 

    O requerimento do Ministério Público Federal (MPF) é consequência da delação premiada do ex-diretor institucional da Hypermarcas, Nelson Mello, sobre transferência e doação de R$ 11,5 milhões ao parlamentar catarinense.

    O ministro Edson Fachin é o relator do pedido no STF. Pediu manifestação da presidente do Supremo, ministra Cármen Lúcia, mas ele vai ficar mesmo com a relatoria. A alegação é de que o caso do senador Bauer não se encaixa nas denúncias de propina e caixa dois da Operação Lava-Jato, envolvendo a Hypermarcas e os senadores Renan Calheiros (MDB-AL) e Eunício Oliveira (MDB-CE).

    Contudo, a referência a Paulo Bauer tem conteúdo considerado grave, pois trata de supostos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A Polícia Federal se refere a pagamentos fictícios milionários que teriam sido feitos pela Hypermarcas ao senador catarinense. 

    Paulo Bauer contesta todas as acusações do ex-diretor. O advogado dele, José Eduardo Alckmin, afirma taxativamente em nota oficial que esta solicitação do MPF nada tem a ver com a Lava-Jato. 

    O inquérito preocupa a cúpula estadual do PSDB. Bauer disse em Brasília que isso não afeta a sua campanha, e que estará nesta quinta-feira (17) em novo roteiro pelo Oeste de Santa Catarina. 

    *** 

    Nesta quarta-feira (16), o presidente Michel Temer estará em Florianópolis para a abertura do Encontro Nacional da Indústria e da Construção. Deve ficar entre duas e três horas na capital catarinense. Ele chega em um momento de mais desgaste político, com o pedido da Policia Federal ao STF de prorrogação de inquéritos contra o presidente sobre delações da Odebrecht para pagamento de R$ 10 milhões à campanha eleitoral de 2014.  

    Ouça o comentário de Moacir Pereira: 

    CBN Diário