Carregando...
 
       
     
     
     
     
    A
     
     
     
     
     
     
    - Atualizado em 28/10/2018 13h41

    "MDB voltará a ser protagonista", afirma governador Pinho Moreira

    Emedebista voltou a atacar Merisio e destacou redução do déficit do Estado

    Foto: Carlos Rauen /NSC

    Ao chegar à seção eleitoral na manhã deste domingo em Criciúma, o governador de Santa Catarina, Eduardo Pinho Moreira (MDB), lamentou o fato de não poder votar em nenhum candidato do partido. Nem Mauro Mariani, nem Henrique Meirelles, chegaram ao segundo turno no Estado e no país.

    - Foi uma pena. Gostaria muito de votar no MDB. Fico triste. Tem que respeitar. Há um sentimento de mudança no Brasil, e em Santa Catarina isso é muito claro. Sei que o MDB voltará a ser protagonista do processo político brevemente.

    Pinho Moreira disse estar alinhado ao "vento de mudança" ao votar em Jair Bolsonaro e Comandante Moisés, ambos do PSL. E voltou a criticar o candidato do PSD, Gelson Merisio, embora sem citá-lo nominalmente: 

    - Vou no 17. E aqui em Santa Catarina, claramente, por conhecer o 55, voto no 17. Sei que a proposta é muito mais verdadeira e honesta do que a do outro.

    Na quinta-feira, Pinho Moreira atacou Merisio: "cadeia nele é questão de tempo", escreveu.

    - A postagem no Twitter foi uma reação às mentiras ditas ao vivo - justificou.

    Pinho Moreira assumiu em 16 de fevereiro, após a renúncia de Raimundo Colombo (PSD), momento que marcou o fim da aliança que governava o Estado. Ele disse que vai entregar o governo, com um déficit de R$ 700 milhões, segundo ele, menos da metade da previsão inicial de R$ 2 bilhões. 

    - Meu mandato está apresentando resultados. Ao assumir, estabeleci duas prioridades absolutas: saúde e segurança. A redução de 40% nos assassinatos em Joinville é uma conquista - destacou.

    A partir desta segunda-feira, Pinho Moreira promete deflagrar a transição "de forma transparente" para o futuro governador: 

    - Às cinco da tarde terminamos a festa e começamos o mundo real, em que as promessas de campanha começam a ser reavaliadas em função da realidade que se encontrará no Brasil e no Estado.

    CBN Diário