Carregando...
 
       
     
     
     
     
    A
     
     
     
     
     
     
    - Atualizado em 20/04/2017 11h16

    Jaraguá do Sul registra a primeira morte por gripe A neste ano, e a terceira no estado

    Confira as informações do Giro Estadual desta quinta-feira, dia 20

    Imunização contra a gripe vai até o dia 26 de maio

    Foto: Andressa Gallo /Divulgação

    Jaraguá do Sul confirmou uma morte por gripe A, tipo H3N2 - a primeira este ano na região Norte de Santa Catarina. Com este caso já são três registros em Santa Catarina. As outras duas mortes foram em Lages e Florianópolis. Em Jaraguá do Sul, o diagnóstico foi de um homem de 58 anos, portador de doença crônica, falecido no último dia 11, no Hospital e Maternidade Jaraguá. A Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza, que teve início na segunda-feira, segue até o dia 26 de maio.

    O vereador Professor Acácio (PSDB), de Itajaí, foi condenado em primeira instância a sete anos de prisão em regime semiaberto. Segundo a denúncia do Ministério Público em 2011, ele teria divulgado imagem de relação sexual com uma adolescente de 17 anos, que já havia sido aluna dele. O advogado do político afirmou que a defesa não cometeu delitos e que vai recorrer. Em nota, o vereador afirma que estava solteiro e "namorava uma adolescente com o consentimento dos pais". O caso corre em segredo de Justiça. Pela lei orgânica de Itajaí, não há impedimento para que o vereador continue cumprindo o mandato, mas a pedido do partido, ele deverá pedir licença para apresentar os recursos.

    A Polícia Civil de Forquilhinha, no Sul catarinense, concluiu o inquérito do caso em que uma dentista é suspeita de assassinar o ex-namorado. Ele foi morto em dezembro de 2015, mas só na semana passada foram encontrados os restos mortais. O resultado da investigação deve ser encaminhado hoje ao Ministério Público. A mulher confessou que matou a vítima a facadas. Segundo o inquérito, a suspeita havia mentido no depoimento e drogou o namorado antes de matá-lo. Ela era agredida pelo parceiro, estava sendo ameaçada e, por isso, planejou o crime. A dentista, de 33 anos, foi indiciada por homicídio e ocultação de cadáver, e o pai (que teria ajudado a enterrar o corpo em Araranguá) por ocultação de cadáver. Os dois respondem em liberdade. A mulher alega legítima defesa. O caso pode ir a júri popular.

    *Com informações da RBSTV, do G1SC, do Diário Catarinense e do jornal A Notícia

    CBN Diário