Carregando...
 
       
     
     
     
     
    A
     
     
     
     
     
     
    - Atualizado em 11/10/2017 9h22

    Hospital Regional de São José fecha emergência por 48 horas devido à superlotação do setor

    Foto: Daniel Conzi /Agencia RBS

    O Hospital Regional de São José, na Grande Florianópolis, não deve receber pacientes no setor de emergência nesta quinta-feira (11) devido à superlotação de pacientes. A Secretaria de Estado da Saúde confirma a decisão de fechar o setor por 48 horas.  

    A capacidade do local é de 32 pessoas. Porém, já na terça-feira (10), 80 pacientes estavam internados. A orientação é que o público procure o Hospital Governador Celso Ramos, no Centro de Florianópolis. Até o corredor está lotado e não consegue receber mais gente em macas para o atendimento.

    O diretor de relações intersindicais do Sindicato dos Médicos de Santa Catarina (Simesc), Fabrízio Liberato, fez o primeiro alerta. Em entrevista à CBN Diário nesta terça-feira (10), ele falou sobre o fechamento do setor, ao saber da notícia por um colega que trabalha no local através das rede sociais.

    Liberato reclamou da falta de comunicação à população e à rede de hospitais para evitar novas transferências para a instituição. Na manhã desta quarta-feira, a reportagem da CBN Diário constatou que havia pessoas esperando no Hospital Regional de São José, sem saber que a emergência estava fechada. 

    Segundo comunicado enviado pela chefia da emergência à pasta da Saúde, o corredor está "superlotado sem macas para receber mais pacientes". O documento ainda diz que "a reanimação está com 5 pacientes, 3 na semi intensiva, sendo 4 entubados com todas as saídas de O2 (oxigênio) ocupadas, monitores ocupados e macas ocupadas".

    A secretaria informou que a superlotação se dá pelo grande número de acidentados em atendimento na unidade — principalmente motoqueiros, por causa da proximidade com a rodovia. Em setembro, 300 motociclistas que sofreram acidentes foram atendidos.

    Ainda de acordo com a secretaria de Saúde, o documento da superlotação também foi redirecionado para os bombeiros e ao Samu, para que levem as pessoas atendidas a outros locais. A pasta disse que nenhuma outra unidade da região está enfrentando este problema nesta semana.

    .*Com apoio do G1 SC

    CBN Diário