Carregando...
 
       
     
     
     
     
    A
     
     
     
     
     
     
    - Atualizado em 25/05/2018 12h37

    "Há algo no ar que não é apenas avião. Esta greve está diferente", afirma governador Eduardo Pinho Moreira

    Governador vê ação patronal na paralisação e descarta redução de ICMS

    Foto: Betina Humeres /Diario Catarinense

    O governador de Santa Catarina, Eduardo Pinho Moreira, acredita que há interesses patronais e empresariais por trás da greve dos caminhoneiros, que alcança o quinto dia. O Estado descarta redução do ICMS sobre o óleo diesel e entende que cabe ao governo federal reduzir tributos sobre combustíveis.

    - Há algo no ar que não é apenas avião. Esta greve está diferente - afirmou Pinho Moreira, no final da manhã desta sexta-feira, ao chegar para um evento na Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc).

    Pinho Moreira defende que o Estado está fazendo a sua parte para garantir segurança e serviços básicos. O governador relata que as forças de segurança foram colocadas à disposição para levar um comboio a Videira, na noite passada, mas foram dispensadas.

    - Há indiscutivelmente interesse de empresas estimulando, inclusive pagando salário para que motoristas fiquem nas rodovias. Não são autônomos que estão parados. São empregados.

    Pinho Moreira acrescentou que o serviço de inteligência do governo está identificando esses líderes para chamá-los a conversar.

    - Há um movimento estranho. Ninguém negocia. Há dúvidas sobre tudo isso. Os serviços de inteligência estão investigando.

    O Centro Integrado de Gerenciamento de Desastres está mobilizado para garantir serviços básicos, como buscar gás para hospitais e tratamento de água.

    Quanto às negociações para redução de impostos sobre o óleo diesel, Pinho Moreira diz que Estado não pode abrir mão de receita.

    - Não há nenhuma margem para que o Estado possa abrir no ICMS dos combustíveis. Já fizemos essa parte, esperamos que o governo federal faça a dele.

    Ouça a entrevista do governador Eduardo Pinho Moreira:

    CBN Diário