Carregando...
 
       
     
     
     
     
    A
     
     
     
     
     
     
    - Atualizado em 12/08/2017 21h54

    Figueirense fica no 1 a 1 com o Goiás na estreia do técnico Milton Cruz

    Empate em casa faz Alvinegro perder uma posição e continuar no Z-4

    Gol catarinense saiu de pênalti marcado pelo atacante Zé Love, que entrou jogando no lugar de Robinho, recém-negociado 

    Foto: Diorgenes Pandini /Agência RBS

    Agora sob nova direção, o Figueirense até deu mostras de que pode sonhar com um bom desempenho no returno da Série B, mas ficou no empate em 1 a 1 com o Goiás na noite deste sábado, em Florianópolis. O grupo de empresários que assumiu a direção de futebol do clube nesta semana e o técnico estreante Milton Cruz viram que terão muito trabalho para, se não fazer com que o clube volte à elite, evitar a queda para a terceira divisão. Com o resultado, o time catarinense caiu uma posição e continua na zona de rebaixamento, na 18ª colocação.

    Ouça o gol de empate com a narração de Paulo Branchi

    Enquanto o Alvinegro entrou em campo com Zé Love no lugar do atacante Robinho, recém-negociado com o Fluminense, a equipe goiana tinha nada menos do que sete mudanças promovidas pelo treinador Argel Fucks. Apesar das modificações, os dois times abusaram dos passes errados e pouco criaram no primeiro tempo. A única emoção na etapa inicial foi a volta de Fernandes ao Scarpelli. Há cinco anos longe do clube, o ídolo alvinegro foi apresentado à torcida como um reforço extracampo, para desempenhar uma função ainda a ser definida.

    – Não esperava essa volta, agradeço ao clube. Mudanças no clube, estou muito feliz com o retorno. Não tem nem como dimensionar a alegria, só agradecer – disse o maior artilheiro da história do Furacão, com 108 gols.

    Ídolo Fernandes, de volta ao clube após cinco anos, foi apresentado à torcida como um reforço extracampo Foto: Diórgenes Pandini / Agência RBS

    O segundo tempo começou na mesma toada, com os times com mais medo de tomar o gol do que coragem para tentar marcar. Até que, em um contra-ataque mortal, os visitantes abriram o placar aos 12 minutos. Após lançamento de Victor Bolt, a zaga catarinense parou pedindo impedimento e deixou Carlos Eduardo avançar sozinho para tocar no canto esquerdo de Saulo. O Figueira sentiu o baque e parecia que sofreria o segundo antes de esboçar alguma reação. Aos 26, porém, Henan encobriu Marcelo Rangel e acabou derrubado pelo goleiro na área. Zé Love bateu o pênalti e deixou tudo igual.

    O empate incendiou o Scarpelli. O jogo tornou-se franco, com o Figueirense buscando a virada na base do abafa. Aos 32, Luidy recebeu pela direita, chutou cruzado e por muito pouco Leandro Almeida não alcançou para botar o Alvinegro na frente. Aos 40, foi a vez de Henan descer em velocidade e bater rasteiro, mas a bola tocou na rede pelo lado de fora. O atacante teve outra oportunidade aos 47, em bola que sobrou de Lucas Silva, mas parou na defesa de Marcelo Rangel.

    FICHA TÉCNICA

    Figueirense: Saulo, Leandro Almeida, Bruno Alves, Iago Silva (Lucas Silva) e Ferrugem (Dudu Vieira); Zé Antônio, Juliano, Patrick Soares e Renan Mota (Luidy); Henan e Zé Love. Técnico: Milton Cruz.

    Goiás: Marcelo Rangel, Pedro Bambu, Alex Alves, David Duarte e Carlinhos; Victor Bolt (Péricles),  Willians, Andrezinho e Ramires; Gustavo (Aylon) e Carlos Eduardo. Técnico: Argel Fucks.

    Gols: Carlos Eduardo (G), aos 12 do 2T; Zé Love (F), aos 27 do 2T.

    Cartões amarelos: Renan Mota e Juliano (F); Marcelo Rangel, Alex Alves e Pedro Bambu (G).

    Arbitragem: Bruno Arleu de Araújo, auxiliado por Luiz Antônio Muniz de Oliveira e Gabriel Conti Viana (trio do RJ).

    Local: Estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis.

    Diário Catarinense
     
    Comentários