Carregando...
 
       
     
     
     
     
    A
     
     
     
     
     
     
    - Atualizado em 19/02/2019 15h15

    "Faltou bom-senso", diz Fernando Kleimann sobre a marcação de Luverdense x Figueirense pela Copa do Brasil

    Diretor executivo fala sobre a logística alvinegra no Mato Grosso e a importância da premiação

    Foto: Vinicius Nunes /Figueirense FC

    Com três jogos consecutivos fora de casa, o Figueirense enfrenta o Luverdense na quarta-feira pela segunda fase da Copa do Brasil e vai completar mais de oito mil quilômetros percorridos em dez dias. Após ter vencido o Boavista em Saquarema (RJ), a delegação recebeu na última sexta-feira (15), a caminho de Chapecó, a notícia de que iria a Lucas do Rio Verde (MT) nesta semana. A decisão da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) em conjunto com a emissora de TV que transmite a competição tem base no regulamento, mas gera reclamações do clube alvinegro.

    - No mínimo faltou bom-senso. Você não pode marcar em menos de cinco dias antes um jogo tão importante para Lucas do Rio Verde sabendo de todos os problemas que a logística dá. O segundo ponto é a sequência que o Figueirense teve. Fomos para Itaboraí, depois Saquarema (contra o Boavista), não ficamos no lugar do jogo, voltamos para Florianópolis, fomos para  Chapecó, voltamos de ônibus para fazer mais esta viagem e andar quase nove mil quilômetros em uma semana. Além disso tudo, tem um evento na cidade, não há hotel, e somos obrigados a ficar em outra cidade e viajar no dia do jogo. Por todos estes motivos, no mínimo, faltou bom-senso. Está dentro do regulamento, mas outros times poderiam jogar no dia 20 e nos colocaram sem pensar em nada disso - afirma o diretor executivo Fernando Kleimann. 

    - Estamos na metade do caminho. A pior parte não pegamos ainda, que é de Cuiabá até Sorriso e viajar no dia do jogo de Sorriso até Lucas do Rio Verde, que infelizmente não tinha hotéis para nos atender. A gente não gosta de viajar no dia do jogo, acaba quebrando a rotina. Você faz a preleção no hotel, deixa tudo pronto, e aí tem que pegar mais uma hora de ônibus, isso mexe com o ritual de um jogo importante como este. Fizemos de tudo, tentamos alterar, mas vamos ter que nos adaptar. Fizemos o máximo para melhorar a logística. Colocamos um voo hoje à noite de Cuiabá para Sorriso e vão só os atletas para ter menor desgaste. Comissão técnica e diretoria vão de ônibus - completa o dirigente, sobre a viagem. 

    O jogo das 19h15 desta quarta-feira (20) diante do Luverdense no estádio Passo das Emas tem caráter decisivo. Vitória ou empate com classificação nos pênaltis em Lucas do Rio Verde dá ao vencedor a vaga na terceira fase da Copa do Brasil para enfrentar Fluminense ou Ypiranga (RS). Além disso a equipe que seguir em frente embolsa o prêmio de R$1,4 milhão. 

    - Significa muito. Não escondemos de ninguém nossos problemas financeiros, estamos em processo de recuperação e ainda longe de chegar em uma situação satisfatória. Uma receita como essa representa bastante, são quase três folhas nossas. Por isso ficamos chateados por não poder nos preparar melhor para este momento. E não é só a questão do dinheiro. Se passarmos de fase provavelmente pegamos o Fluminense. Jogo de ida e volta, oportunidade para trazer ao nosso torcedor um jogo deste tamanho, bilheteria, tudo que envolve. Este jogo vale demais pra gente e todo mundo sabe disso - garante Fernando Kleimann.

    Ouça a entrevista com Fernando Kleimann: 

    CBN Diário