Carregando...
 
       
     
     
     
     
    A
     
     
     
     
     
     
    - Atualizado em 13/09/2018 16h06

    Em reta final da campanha, Florianópolis ainda tenta alcançar meta de vacinação contra pólio e sarampo

    Foto: Rodrigo Philipps /Agencia RBS

    Mesmo com mais de um mês de mobilização e Dia D em duas oportunidades, Florianópolis ainda não conseguiu atingir a meta estipulada pelo Ministério da Saúde (95%) para a cobertura vacinal do sarampo e da poliomielite. A campanha nacional, que terminaria dia 31 de agosto e foi estendida, termina nesta sexta-feira (14). 

    A capital está entre as 23 cidades de Santa Catarina que ainda não alcançaram o índice. Segundo os últimos dados divulgados pelo Ministério da Saúde, Florianópolis teve 88,3% de crianças de um a cinco anos incompletos imunizadas contra a poliomielite e 93,1%, no caso das doses para combater o sarampo. 

    Segundo a entrevista com uma representante da secretaria municipal de Saúde à CBN Diário, houve pessoas que foram até os postos ou relataram através das redes sociais sobre alguns pediatras, principalmente da rede privada, que estariam orientando pais ou responsáveis para que não levassem as crianças para vacinar durante a campanha porque o calendário já estaria atualizado. 

    — A medida que adotamos foi (pedir) que a Sociedade Brasileira de Pediatria pudesse reforçar a orientação de que é importante que as crianças compareçam nas unidades de saúde e tomem a dose da campanha — disse Jaqueline Pereira, chefe de Vigilância Epidemiológica de Florianópolis.  

    Para tentar alcançar a meta do Ministério da Saúde, alguns dos centros de saúde da capital não fecham para o almoço e ficam abertos até as 19h. Ainda segundo os números do Ministério de Saúde, Santa Catarina vacinou 103,99% do público-alvo contra a pólio e 104,34% contra o sarampo. 

    O presidente da Sociedade Catarinense de Pediatria, Edson Carvalho de Souza, falou que a orientação para profissionais da área é para que as crianças sejam vacinadas. Ele também disse que desconhece relatos de pediatras que teriam feito isso e que repudia quem estiver o fazendo.

    CBN Diário