Carregando...
 
       
     
     
     
     
    A
     
     
     
     
     
     
    - Atualizado em 25/09/2017 14h18

    Donos de táxis que negaram atendimento a menino ferido em Florianópolis serão ouvidos amanhã pela prefeitura

    Um caso em Florianópolis ganhou as redes sociais após três taxistas se negarem a levar um menino de dois anos para o hospital. Segundo informações da NSC TV, o menino brincava em casa quando caiu e bateu a cabeça no móvel da sala. Os pais chamaram um Uber para levar o filho ao Hospital Florianópolis, que é público.

    Só que não havia cirurgião de plantão (somente um pediatra), e o casal foi avisado que o atendimento iria demorar. Os pais, então, resolveram ir a um hospital particular no centro da cidade. Sem sinal de internet para acionar o aplicativo novamente, resolveram pegar um táxi. Irving Correa, pai da criança, diz que o primeiro taxista teria negado o serviço porque o casal havia pedido um Uber para chegar no local. 

    Ainda segundo Irving, o segundo taxista na fila de espera também recusou a corrida. Com o filho com o corte na cabeça, o pai pediu desesperadamente para um terceiro taxista. A resposta também foi negativa. Foi então que Derick Silva, que havia levado o filho ao hospital por causa de um dedo quebrado, viu a situação e ofereceu carona para o casal e o menino, que foi atendido em outro hospital e levou quatro pontos na cabeça. Emocionado, Derick relata que faria tudo de novo.

    Laura fez um postagem nas redes sociais, com mais de dois mil compartilhamentos desde que o caso foi registrado, na semana passada. Pedindo para não ser identificado, um dos três taxistas que teriam negado corrida assumiu que errou, mas alegou que a criança não estava em estado grave.

    Presidente de uma entidade de defesa aos taxistas, Osvanir Gonçalves diz que não há justificativa para recusar o atendimento.

    O Presidente do Sindicato dos Taxistas da região, Irandir Oliveira, reclama sobre a perda de faturamento da categoria, e diz que os motoristas do Uber estão desrespeitando e utilizando os pontos delimitados para os táxis.  

    Segundo o Secretário de Transporte e Mobilidade Urbana de Florianópolis, Marcelo Roberto da Silva, dois taxistas serão convocados nesta terça-feira (uma semana depois do ocorrido) para prestar esclarecimentos - o outro suspeito é da cidade de São José. Será aberto um processo administrativo para averiguar o caso.

    CBN Diário